De aluno para aluno: conhecendo os trabalhos voluntários do Band

Conhecendo mais sobre as possibilidades de trabalho voluntário no Band, uma apresentação feita por e para alunos, deu um gostinho de cada projeto. O evento ocorreu no Studio 268 e reuniu cerca de 300 estudantes interessados em ajudar o próximo e fazer a diferença.

trabalhovoluntario1

No dia, os alunos coordenadores dos projetos apresentaram as possibilidades de voluntariado, explicando como cada um funciona.  Além disso, foi revelada uma novidade: um site (https://www.jovemvoluntario.com/) criado por eles próprios para informar e ampliar a divulgação das atividades. “Dá mais voz para os alunos, a sensação de que eles serão ouvidos”, disse o aluno Gabriel Giacummo, da 3.a série do Ensino Médio.

Os trabalhos, que entram na grade como atividade complementar, são totalmente organizados pelos estudantes, contando com a mediação do professor de Geografia, João Paciello. Ajudando em diversas causas, os alunos ganham cada vez mais autonomia, sendo protagonistas de seus projetos. “Eles mudam e amadurecem muito. Ter essa experiência gera valores”, contou o professor.

A aluna Adriana de Oliveira, da 3.a série do Ensino Médio, contou sobre a importância de ter alunos se ajudando para fazer a diferença. “É gratificante! Percebi que muitos alunos nos procuram para orientação”, disse ela.

“Tem muita gente que não tem noção da influência do trabalho voluntário. Ampliou minha visão de mundo”, completou a aluna Bianca Duarte, da 3.a série do Ensino Médio.

Vivências de voluntariado como as lideradas pelos alunos do Band representam também um grande diferencial para as futuras carreiras. Essas experiências são muitas vezes valorizadas por universidades internacionais, por exemplo. Isso porque os alunos se tornam mais cidadãos, com habilidades que vão além da sala de aula.

Nosso Trabalho

Não é de hoje o desejo do jovem de mudar o mundo. Mas essa vontade cresce cada vez mais na medida em que crescem também as oportunidades e maneiras de fazê-lo. No Colégio Bandeirantes, por exemplo, alguns alunos participam de projetos apresentados pela escola. Há os que dão aula para as crianças do Programa Ismart e os que dão carinho e atenção para as do Instituto da Criança.

Os “monitores”, estudantes do 2º colegial, trabalham voluntariamente planejando e ministrando aulas de inglês para grupos divididos segundo seu grau de conhecimento. Mas as crianças não são as únicas a aprender com essa experiência. Os jovens aprendem desde a dificuldade de dar uma aula e tirar dúvidas até a ação de, com prazer, ajudar e se dedicar a pessoas que nem mesmo conhecem.

Há ainda os “recreadores” que, também voluntariamente, participam do Projeto Criarte e do Comitê Juvenil, para o Instituto da Criança, no Hospital das Clínicas. Ambos os trabalhos se baseiam em fazer companhia a crianças e adolescentes atendidos pelo Instituto. O primeiro é um projeto destinado àqueles que estão tanto na sala de espera para serem atendidas quanto no hospital-dia onde recebem soro. O objetivo apresentado aos jovens é brincar, alegrar e fazer do hospital um lugar menos impessoal. Quanto aos alunos que participam do Comitê Juvenil, têm mais ou menos o mesmo trabalho que os do Criarte, com a mesma intenção de deixar os pacientes mais à vontade, porém divertindo aquelas portadoras de outros tipos de doenças graves.

Seja qual for o trabalho, os alunos o fazem com tanto prazer e dedicação que deveriam servir não só como exemplo, mas também como inspiração a outros jovens que, por sua natureza, querem fazer a diferença.

Beatriz Daniel, 2H3 (outubro 2009)